CATEGORIAS

NOTÍCIAS:
15/04/2016
Você consegue tocar seus pés? Veja por que essa habilidade é importante

Dois estudos recentes sobre os benefícios de poder tocar os dedos dos pés com as mãos sugerem que essa habilidade não indica apenas o grau de flexibilidade do corpo. Também mostra a flexibilidade das artérias coronárias.

 

Uma pesquisa de 2009 liderada por Kenta Yamamoto, da Universidade do Norte do Texas, nos Estados Unidos, concluiu que um corpo menos flexível em pessoas com mais de 40 anos indica uma maior rigidez das artérias.

 

Outro estudo, feito por quatro cientistas japoneses em 2015, chegou a uma conclusão parecida.

 

Segundo o trabalho, publicado pelo Centro Nacional para a Informação Biotecnológica dos Estados Unidos, as pessoas de meia idade podem conter de forma significativa a rigidez arterial se adotarem uma rotina de exercícios de alongamento executada durante quatro semanas.

 

Os dois estudos concordam que é preciso aprofundar mais o tema e esclarecem que as pessoas que não conseguem tocar os dedos dos pés com as mãos não estão em risco iminente de ter problemas no coração.

 

Mas o que se sabe é que encostar os pés com as mãos também ajuda a alongar os ombros, as costas e os tendões e ajuda a prevenir dores nas costas.

 

Fonte: BBC Brasil

Postado às 16:40
07/04/2016
Insônia danifica região do cérebro ligada à emoção

Não ter uma boa noite de sono danifica o cérebro. Principalmente as partes relacionadas à emoção e à consciência. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico Radiology, essa pode ser a explicação para o motivo de você se sentir um pouco depressivo após uma noite de insônia.

 

Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, pesquisadores do Hospital Popular Provincial Guangdong No.2, na China, analisaram o cérebro de 23 pacientes com insônia "primária" (dificuldade em iniciar ou manter o sono e pela sensação de não ter um sono reparador) ou grave, que relataram problemas para dormir por pelo menos um mês. As imagens, que foram captadas por scanners cerebrais de alta tecnologia e mostraram a força das correntes eléctricas no cérebro, foram em seguida comparadas com as de 30 pessoas saudáveis.

 

Os resultados mostraram diferenças significativas na matéria branca - a "fiação", que conecta as diferentes partes do cérebro - entre os dois grupos. As pessoas que sofriam insônia constante apresentaram sinais de danos na matéria branca do cérebro como um todo, mas as lesões mais severas estavam concentradas no hemisfério direito. Essa é justamente a região que tende a controlar a emoção. Foi observado também uma significativa redução na integridade da matéria branca presente no tálamo, área responsável por regular a consciência, o sono e o estado de alerta.

 

Os pesquisadores perceberam também que nestes pacientes o corpo caloso - seção que liga os dois hemisférios - não estava funcionando de forma eficaz. e que havia uma perda de mielina, camada protetora ao redor das fibras nervosas.

 

"A reduzida [atividade] no corpo caloso pode estar relacionada com perturbações emocionais e do sono em pacientes com insônia primária. Isso significa que essa alteração pode estar relacionada ao humor deprimido nestes pacientes", escreveram os autores.

 

A insônia é comumente associada com fadiga diurna, distúrbios de humor, comprometimento cognitivo e pode levar à depressão e à ansiedade. Isso porque a alteração constante do relógio biológico - mecanismo interno que sincroniza as funções corporais ao padrão de 24 horas de rotação da Terra - pode gerar problemas de saúde em longo prazo. Os resultados do novo estudo sugerem que uma explicação para isso: a alteração do relógio biológico impacta o cérebro negativamente.

 

"A insônia é um distúrbio extremamente prevalente. No entanto, suas causas e consequências ainda são esquivas. Tratos de substância branca são feixes de axônios - ou fibras longas de células nervosas - que conectam uma parte do cérebro com a outro. Se esses tratos são prejudicados, a comunicação entre as regiões do cérebro é interrompida. " , explicou Shumei Li, líder do estudo.

 

Como este foi apenas um estudo observacional, os autores afirmam que ainda são necessárias mais pesquisas para confirmar se os danos cerebrais são causa ou consequência da insônia.

 

Fonte: BBC Brasil

Postado às 11:36
29/03/2016
Ministério libera vacinação antecipada contra gripe H1N1

O Ministério da Saúde anunciou na noite desta segunda-feira que vai permitir a antecipação da vacinação contra a gripe H1N1 para os Estados interessados em começar a imunizar grupos considerados de risco antes da campanha nacional, que terá início em 30 de abril. Em São Paulo, que requisitou a antecipação, o primeiro lote deve chegar nesta sexta-feira - nos demais Estados, a partir de segunda.Cada secretaria estadual deverá divulgar o calendário que adotará para vacianr a população.

 

O surto atípico de gripe H1N1 está lotando os pronto-socorros dos hospitais da capital e do interior de São Paulo. A situação é completamente incomum, já que o auge da infecção pelo vírus, em circulação no país desde 2009, costuma ocorrer no mês de junho, quando a temperatura começa a baixar. Diz o infectologista Artur Timerman, do Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo: "Em toda a história epidemiológica, sabemos que a influenza é uma doença do inverno, que deveria aparecer somente daqui a dois meses, não agora. É assustador ". De acordo com dados da Secretaria de Saúde de São Paulo, até o dia 22 de março foram contabilizados 260 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) -- relacionada a complicações do H1N1 -- e 38 óbitos. No mesmo período do ano passado, não havia nenhum registro confirmado. Atualmente, São Paulo concentra 85% dos casos em todo o país.

 

A principal hipótese levantada pelos especialistas para o número de casos é de que o vírus tenha sido importado por turistas que viajaram para regiões do hemisfério norte, como Europa, Canadá e Estados Unidos. A Flórida, por exemplo, enfrenta atualmente um surto de H1N1. O estado americano recebe cerca de 140 000 paulistas por mês. "Ao voltar infectada para o Brasil, uma pessoa pode transmitir o vírus para os outros pelo contato direto ou indireto a partir da secreção das vias respiratórias", explica Regia Damous, infectologista do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo. Frequentar lugares com aglomerações, como escolas ou empresas, ajuda a propagação do agente infeccioso.

 

É por isso que os hospitais de São Paulo adotaram medidas de emergência para controlar a infecção. Na capital, o Hospital Albert Einstein, o Hospital e Maternidade São Luiz e o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, por exemplo, solicitam que os pacientes com sintomas de gripe utilizem máscara hospitalar desde o inicio do atendimento. Além disso, eles disponibilizaram uma área exclusiva destinada ao atendimento de casos suspeitos da doença.

 

H1N1 - O H1N1é um vírus da gripe do tipo A (associado a epidemias) que foi detectado pela primeira vez em abril de 2009 no México e, em pouco tempo, se transformou em uma pandemia mundial. Sua transmissão ocorre pelo contato direto (ao falar, espirrar, tossir ou beijar) ou indireto (pelas mãos) com as secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada.

 

Após a infecção, os sintomas demoram entre 1 e 4 dias para se manifestar e incluem febre alta (acima de 38,5°C), tosse, irritação nos olhos e nos ouvidos, dor muscular, de cabeça, de garganta e no tórax, coriza, falta de ar e diarreia. O tratamento é feito com o medicamento Tamiflu. Se não tratada adequadamente, a gripe pode evoluir para um quadro mais grave, conhecido como Síndrome Respiratória Aguda Grave.

 

Qualquer pessoa pode ser infectada pelo vírus H1N1 - ao contrário da gripe comum, que prioriza os idosos.Os grupos de risco incluem crianças menores de dois anos, grávidas, doentes crônicos e pacientes em tratamento de câncer.

 

Fonte: Veja online

Postado às 12:04
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10