CATEGORIAS

NOTÍCIAS:
07/12/2015
Dieta vegana ajuda a te manter longe das doenças crônicas

Uma dieta que além de garantir a perda de peso vai te manter longe das chamadas doenças crônicas, ou seja, aquelas que não têm soluções imediatas, como diabetes, obesidade e até problemas no coração.

 

Diferente da dieta vegetariana, que elimina o consumo de carne, peixe e aves, a vegana excluí todos os produtos de origem animal, inclusive laticínios e ovos.

 

A base alimentar desta dieta é composta por frutas, legumes, verduras, grãos integrais, nozes, sementes e leguminosas.

 

Segundo pesquisas recentes, a perda de peso seguindo a dieta vegana está ligada ao consumo de menos calorias diárias, que, consequentemente, reduz a gordura corporal.

 

O American Journal of Clinical Nutrition constatou que a maioria dos veganos possui IMC (Índice de Massa Corporal) abaixo de 19. IMC menor que 18,5 sugere que a pessoa esteja abaixo do peso.

 

Segundo a American Dietetic Association, dietas veganas também são indicadas para pessoas com diabetes e para prevenção do problema, uma vez que uma alimentação livre de carne e produtos lácteos ajuda a controlar o peso e afastar a doença.

 

A dieta vegana também faz bem ao coração. O mesmo estudo divulgado pelo American Journal of Clinical Nutrition também apontou que os veganos têm 57% menos chances de desenvolver problemas cardíacos.

 

Para muitas pessoas, o veganismo vai além de não consumir alimentos de origem animal. Trata-se de uma filosofia de vida.

 

Há, no entanto, quem adote o programa alimentar por um tempo com o intuito de emagrecer e ter mais disposição e saúde.

 

A Sociedade Vegetariana Brasileira lançou recentemente o desafio 21 dias sem carne. O programa tem por objetivo mostrar para as pessoas como é possível e fácil adotar uma dieta sem carne e outros produtos de origem animal. Vale a pena experimentar!

 

Fonte: Abradilan

Postado às 16:25
02/12/2015
Doces e bebidas diets prejudicam os dentes tanto quanto os produtos com açúcar

Refrigerantes, bebidas esportivas e doces sem açúcar podem ser tão ou até mais prejudiciais aos dentes do que produtos adoçados. É o que diz um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Melbourne, na Austrália.

 

No trabalho, os pesquisadores testaram o impacto na saúde dos dentes de 23 produtos entre doces, refrigerantes e bebidas esportivas açucarados e sem açúcar. Os resultados mostraram que a maioria dos produtos contribui para o amolecimento de 30% e 50% do esmalte dos dentes, incluindo aqueles sem açúcar. As informações são da rede americana CBS.

 

De acordo com os autores, isso acontece porque componentes, como aditivos ácidos e níveis baixos de pH (medida de acidez) amolecem o esmalte (tecido duro dos dentes), levando à erosão dentária.

 

"Muitas pessoas não sabem que reduzir a ingestão de açúcar não diminui o risco de cárie dentária causada pela mistura química de ácidos em alguns alimentos e bebidas", disse Eric Reynolds, um dos autores do estudo e presidente do Centro de Pesquisa Cooperativa de Saúde Oral da Universidade de Melbourne.

 

Uma dica para ajudar a proteger os dentes da erosão é olhar os rótulos dos produtos em busca de componentes ácidos e evitá-los. Entre eles, o ácido cítrico e fosfórico.

 

Fonte: Veja online.

Postado às 10:52
24/11/2015
Casos de diabetes crescem 20% em um ano no Brasil.

Um estudo da Federação Internacional de Diabetes mostra que do ano passado para cá o número de brasileiros com diabetes deu um pulo. Já são mais de 14 milhões de adultos com a doença.

 

A auxiliar de hotelaria Diana Maria Alves descobriu que estava diabética há seis meses. O caso dela confirma uma estatística internacional; a doença voltou a crescer no país, mais 20%, do ano passado para cá. “Me sentia muito enjoada, vontade de deitar. Muito enjoo, eu não consigo nem ficar em pé. E perdendo muito peso”, diz.

 

O atlas 2015, da Federação Internacional de Diabetes, mostra que o Brasil tem mais de 14 milhões de casos hoje em dia. No ano passado havia 11 milhões de adultos com a doença.
E a herança familiar é um fator que colabora para que a doença se espalhe. O coordenador de recursos humanos André Sarmento é diabético há 10 anos. O pai dele morreu por causa dessa doença, que a mãe e o irmão também têm. O André se cuida, mas a taxa de açúcar no sangue ainda continua alta. É um pouco difícil abrir mão de certas coisas que a gente gosta, mas a gente vê que não tem jeito. É cortar o açúcar, o refinado eu cortei da minha vida. Os doces eu diminui bastante”, conta.

 

No ranking do diabetes, o Brasil aparece em quarto lugar atrás apenas de China, Índia e Estados Unidos. Isto é um sinal de que falta prevenção para reduzir o número de casos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes.

 

“Gasto de saúde em diabetes, nós somos o quinto do mundo, quer dizer já dá para assustar qualquer um. Se a gente não fizer nada nós não vamos ter médico, nós não vamos ter recurso, nós não vamos ter enfermeira, nem para tratar a doença, nem para tratar as graves complicações que são decorrentes dela”, alerta Walter Minicucci, presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes.
E como o Ministério da Saúde está combatendo o avanço da doença?

 

“O Ministério da Saúde através do programa Saúde da Família, do programa Mais Médicos, ele tem cada vez mais identificado de forma precoce os pacientes com diabetes. Nós, então, fazemos um acompanhamento. Tem protocolos na medida que as pessoas entram nos critérios de risco”, explica Deborah Malta, diretora do Departamento de Vigilância de Doenças.

 

Cada um de nós tem que ajudar a combater e evitar este mal e não é tão difícil assim. “O diabetes, ele pode ser controlado e evitado com um controle nutricional, controle do peso. Evitar alimentos industrializados, excesso de gordura. Tudo isso é um facilitador para o controle, ou minimente, para uma prevenção do diabetes”, afirma a médica Scykla Reis Salgado.

 

Fonte: Abradilan

Postado às 18:42
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10